Como evitar as escaras? Passos e dicas importantes.

A escara, ou úlcera por pressão, é uma ferida provocada por pressão incessante em um mesmo local. Elas possuem extensão e profundidade diversas. A principal causa da formação de escaras é a circulação de sangue defasada e a baixa oferta de nutrientes para determinada área do corpo. Isso acontece quando há pressão externa exercida por um objeto contra uma superfície óssea ou cartilaginosa.

Devido a esse motivo, escaras são muito comuns em proeminências ósseas. Alguns fatores podem agravar a escara, como presença de umidade e fricção (ficar esbarrando em algum local). Atrás da cabeça, nas costas, na articulação do quadril, no cóccix, nas nádegas, cotovelos e calcanhares são as partes do corpo mais comuns de desenvolverem escaras.

Quem corre o risco de ter escara?

A úlcera por pressão pode aparecer em qualquer pessoa. Porém, os grupos de risco são: pessoas idosas, acamadas ou imobilizadas durante muito tempo, cadeirantes, desnutridas, portadoras de diabetes (principalmente obesos), quem tem incontinência fecal e/ou urinária e perda da sensibilidade tátil ou térmica.

Em pessoas com a sensibilidade comprometida, a escara pode se desenvolver sem mesmo o paciente perceber. Por isso é muito importante que a família e os profissionais de saúde verifiquem sempre se o corpo está livre de lesões. No caso de quem continua com a sensibilidade normal, a úlcera casa muita dor. Muitas vezes impede que as pessoas andem e façam suas atividades diárias. Existem diferentes graus de escara, classificados de acordo com a gravidade, tamanho e profundide.

Grau 1: eritema ou hiperemia. A lesão atinge apenas camadas superficiais da pele. Manifesta-se como uma mancha avermelhada e às vezes desaparece se a pressão for aliviada;

Grau 2: isquemia. O ferimento compromete todas as camadas da pele. Manifesta-se em forma de bolha,  esfoladura ou um orifício superficial;

Grau 3: necrose. A lesão chega ao tecido muscular. Pode apresentar um nódulo e coloração arroxeada;

Grau 4: ulceração. Consequências ainda mais profundas. Há destruição da pele e dos músculos. Os ossos podem começar a aparecer.

Prevenção

Não tem muito pra onde fugir: a palavra de ordem para prevenção das úlceras de pressão é movimento. Mudar posição dos acamados a cada duas horas pelo menos vai ajudar a diversificar os pontos de pressão na pele. Para casos de pessoas que se locomovem com cadeiras de rodas o recomendado é que mude de posição ainda mais frequentemente – a cada 10 ou 15 minutos.

Além dessas medidas, uma boa hidratação da pele é indispensável. Ela deve ser mantida sempre limpa, seca e bem hidratada. A ingestão de proteínas e visitas recorrentes ao fisioterapeuta também ajudam a evitar as lesões.

Dicas

Examine diariamente a pele do corpo todo com atenção;

Estimule a movimentação do paciente respeitando seus limites;

Não esfregue a pele com força durante o banho;

Dê preferência a colchões de água, ar e roupa de cama de algodão;

Almofadas podem ser usadas para aliviar áreas de pressão (principalmente nos calcanhares);

Mantenha a cabeceira da cama elevada a 30 graus no caso de pacientes acamados e alterne as posições entre lado direito, esquerdo e dorsal;

Proteja as áreas de risco com curativos de espuma, espuma siliconada ou filme transparente.

 

Ollha que legal essa cartilha que o pessoal da Stay Care preparou:

 

Deixe o seu comentário